domingo, 29 de agosto de 2010

Escovas de longa duração: entenda a diferença???

Definitiva, progressiva, de morango, chocolate, milho, inteligente. Não importa o nome, todas elas se encaixam na categoria de escovas de duração prolongada. O efeito que elas proporcionam é procurado por grande parte das mulheres no mundo todo. Mas antes que você caia de cabeça no alisamento...


*Primeiro é preciso conhecer as diferenças entre essas técnicas. "Escova definitiva, como o nome já diz, só sai quando os fios crescem"Isso quer dizer que quando o cabelo começa a crescer, os fios não ficam em um formato uniforme. Por isso, é preciso retocar a raiz. Mas somente ela. "Não se pode refazer a definitiva em uma área que já recebeu essa técnica"


*No entanto, um dos grandes incômodos da escova progressiva está na necessidade de ficar por alguns dias sem lavar o cabelo. Por isso, a nova queridinha é a escova inteligente. "No processo de aplicação, há o uso do neutralizador que permite que você lave os fios no mesmo dia, ainda no salão.


*A escova inteligente pode ser considerada um tratamento, já que é composta por uma hidratação profunda. Ela não tem tanto o poder de alisar.
Mas antes de optar por qualquer técnica é aconselhável recuperar o cabelo, caso ele esteja muito danificado.

Independente do tipo de escova feita, o importante é você saber exatamente o que foi usado no seu cabelo. "É preciso que o profissional conte a cliente a composição do produto usado.


Essa informação se torna essencial quando os fios receberam substâncias como amônia, tioglicolato, guarnidina e hidróxido de sódio que, não são compatíveis. Ou seja, se você fez uma escova com amônia e depois se decidir por um alisamento com hidróxido de sódio, seus fios tem grandes chances de se despedaçarem.

Cuidados pós-escova

Cremes à base de proteínas hidrolisadas também são muito bons para restaurar os fiospara fazer uma mascar em casa, basta espalhar o produto no cabelo, envolver os fios em uma toalha aquecida ou usar uma touca de plástico e esperar por cerca de 25 minutos. O processo pode ser feito uma vez por semana.

E quem pensa que é preciso gastar todo o salário nesses kits de socorro para o cabelo, está enganado. "Não é só porque é caro que o produto é bom. Depende muito do tipo de cabelo e do estado que se encontra o fio. A melhor coisa é seguir a indicação do seu cabeleireiro



Me arrependi, e agora?
Se você alisou ou cabelos, mas não gostou do resultado ou simplesmente se cansou do novo visual, saiba que voltar atrás não é tão fácil.

Para quem fez a escova definitiva, a única solução é esperar os fios crescerem. E até que isso não ocorra de forma completa, não há como evitar aquela linha nítida que separa a parte alisada da parte natural do cabelo.

Já nas escovas progressiva e inteligente, os fios voltam à forma anterior. No entanto, se o processo for feito com amônia, segundo Alcimar, o resultado pode não ser tão compatível com o efeito dos fios antes da química.

E para acelerar o processo, nada melhor que os shampoos anti-resíduos. "Eles ajudam a remover o produto usado na escova

sábado, 7 de agosto de 2010

HIistoria do Pole Dance...Como surgiu...

As origens do Pole Dance vêm da prática do Mallakhamb ( que significa “homen de força” ou “ginástica do poste”), que nada mais é do que yoga praticada em um poste de madeira e com cordas (principalmente praticado na Índia) e existe desde o século XII, no entanto, como disciplina esportiva existe a aproximadamente 250 anos. Uma outra disciplina, que está diretamente relacionada com o pole dance de hoje, é conhecida como Mallastambha (que significa “ginástica do pilar”), técnica usada pelos antigos lutadores de wrestling para ganhar força e desenvolver os músculos.O mallastambha não é mais praticado nos dias de hoje. O Mallakhamba do poste (pole) ainda é praticado por homens e meninos e o Mallakhamba da corda é praticado por mulheres e meninas.
O Pole Dance, como conhecemos hoje, se originou durante os anos 20, no ápice da Grande Depressão Americana. Tour Fair Shows ( que se originaram do negócio dos tours de circo) viajavam de cidade à cidade divertindo as multidões. Como parte do espetáculo principal, também existiam outros shows paralelos em tendas pequenas ao redor da tenda do circo principal. Uma dessas tendas famosas era conhecida como o show erótico das dançarinas Hoochi Coochi. A palavra Hoochi Coochi se originou do movimento que as dançarinas faziam com o quadril. As garotas dançavam sugestivamente em um palco pequeno em frente às multidões de assovios. Por causa do tamanho das tendas, o poste que segurava a tenda ficava bem na beirada dos pequenos palcos e as dançarinas começaram a se aproximar dos postes e dançar com eles.



O poste das pequenas tendas tornou-se conhecido como o poste de dança que ainda existe hoje, no entanto, de uma forma mais tecnicamente e socialmente aceitável.
O estilo Burlesque se originou no início da era Vitoriana (1840) e é um estilo que esta relativamente ligado à Comédia dell’arte (onde os personangens principais carregavam um “burle” – um bastão com a ponta almofadada – que era usado para bater nos outros personagens com uma finalidade cômica (origem da comédia “slapstick”). A Comédia dell’arte foi a fonte para quase tudo que se vê hoje em entretenimento (como ballet, marionettes, ópera, teatro o tableau erótico, a mímica entre outros). O famoso Moulin Rouge em Paris (desde 1889) teve uma função essencial na disseminação do estilo buslesque sensual e no desenvolvimento da indústria erótica que contava com performances de artistas que vinham de todos os cantos do mundo para dançar no Moulin Rouge e ganhar a vida.
(Parte II) – O pole dance se desenvolveu gradualmente desde as tendas de circo até os bares como o estilo burlesque nos anos 50. O primeiro registro de pole dance como conhecemos hoje, foi em 1968 com a performance de Belle Jangles no clube de striptease Mugwump, em Oregon e o pole dance moderno começou a ser documentado somente à partir dos anos 80 no Canadá.
Entre os anos 60 e 70 muito pouco aconteceu em relação ao pole dance e pouco se documentou até os anos 80 quando striptease e poledancing se tornaram populares no Canadá e nos Estados Unidos.
Existe evidências de que, com o tempo, outros estilos de dança (alguns com raízes bem mais imorais que o pole dance) passaram por dificuldades para obter o reconhecimento e respeito que mereciam. Antes de ser abertamente reconhecidos, estilos de dança como o ballet, a salsa, o tango, e especialmente a famosa dança do ventre, eram danças com fundamentos na sexualidade e na luxúria e também sofreram enorme ceticismo durante anos.
A história do Ballet revela que, a princípio, mulheres não eram permitidas de dançar, mesmo que muitas escrituras mais recentes negam este fato. O tango nasceu na França e se desenvolveu na Argentina, através de uma maneira de auto-expressão de rebeldia e se originou nos bordéis de Buenos Aires.
Os anos 90 testemunharam Fawnia (Canadense) praticando o pole dancing e trazendo a realidade para as mulheres comuns que começaram a aprender a modalidade como uma maneira de manter a forma. Fawnia produziu o primeiro DVD com instruções de pole fitness e dança.
A partir do ano 2000, o pole dance se desenvolveu em gêneros diversos, do exótico ao pole fitness evoluído em 2006, que permitiu as mulheres comuns a utilizarem-se da técnica dentro das suas rotinas diárias de fitness. Na verdade, um número relevante de mulheres que praticam o pole dance como fitness, possuem poles dentro de casa para tal.
Mais recentemente, o Cirque du Solei passou a utilizar performances baseadas nos poles chineses. Inspirado no Cirque du Soleil, homens também começaram a utilizar a técnica dos pole chineses e possuem números acrobáticos em shows pelo mundo. Assim como o Mallakhamb e o Pole Dance, os poles chineses também se utilizam do atrito entre pele e equipamento.
Levando em consideração que a mentalidade e atitude das pessoas em relação ao pole dance já começou a mudar, mesmo quando se referem ao pole dance como pole fitness, ainda existe uma relutância em relação ao público em geral em aceitar o pole dance como uma atividade física ou esportiva.
O pole dance de hoje constitui uma modalidade de exercício físico e dança que envolve o dançar com e ao redor de uma barra de metal polido. Essa modalidade incorpora movimentos de ginástica olímpica, movimentos livres, ballet e dança contemporânea em dimensões diferentes que incluem, posições estáticas e em movimento usando a barra e fora da barra. A atividade do pole dance desenvolve a força dos membros superiores e inferiores do corpo e das costas / área abdominal e firma todos os músculos do corpo utilizando o próprio corpo como resistência.
Competições: Mesmo que a maioria das competições de pole dance pelo mundo ainda estão em um momento de estruturação e profissionalização, existe uma comunidade mundial lutando por conquistar o reconhecimento do pole dance como esporte e uma forma artística de dança. As competições de Pole Dance estão procurando se distanciar dos shows amadores de dança em casas de striptease. Estes eventos estão sendo regularizados com regras restritas de vestimenta adequada e focadas no atletismo e no fator artístico das coreografias ao invés do erotismo e da sexualidade.

ALIMENTOS E A ENXAQUECA

A alimentação é um dos principais fatores que podem desencadear as crises de enxaqueca. "Ficar mais do que quatro horas sem se alimentar é tão ruim quanto ingerir o alimento errado. Ficar muito tempo sem comer leva à baixa do açúcar no sangue, e pode gerar mais enxaqueca para aqueles que já possuem essa sensibilidade", diz a nutricionista Liliam Francisco. 





Quem tem predisposição à enxaqueca deve mesmo observar o que come. Não existe uma dieta específica e cada indivíduo deve saber identificar o que não lhe cai bem. Entretanto, algumas substâncias podem desencadear aquela dorzinha que começa chata e vai ficando insuportável.

Alimentos que contém o aminoácido tiramina devem ser evitados. "Os principais são vinho tinto, peixe defumado, fígado de galinha, figos, chocolates, nozes, manteiga de amendoim, queijos amarelos, vinagre, bebidas alcoólicas, iogurtes, lentilha e sementes", lista Liliam.


Os enlatados, processados e conservados devem ser bem dosados. "Embutidos como salsicha, salame e toucinho defumado, por exemplo, podem ocasionar a enxaqueca, uma vez que as substâncias utilizadas para realçar a coloração e o aspecto dos alimentos possuem ação vasodilatadora", explica a nutricionista. Além desses, alimentos que contenham glutamato monossódico também devem ser retirados do cardápio. De acordo com ela, o glutamato serve para enriquecer o sabor e pode inibir a absorção de glicose por parte das células cerebrais, desencadeando a dor.



O aspartame também merece cuidado. De acordo com Liliam, estudos mostram que o consumo de 30mg por dia pode aumentar em até 9% o risco de enxaqueca em indivíduos predispostos. O café pode ser um vilão silencioso. "Consumido em quantidades excessivas ele agrava os sintomas de dor de cabeça e também os de ansiedade e de pressão alta para os hipertensos", avisa a nutricionista. Um outro inimigo é o chá. "Ele é vasodilatador, de modo que a pessoa deve reduzir o consumo", alerta a nutróloga Jane Corona.

E dessa extensa lista nem os frutos escapam. Alguns devem ser excluídos das refeições de quem sofre com a enxaqueca. "Abacate, banana e frutas cítricas são os principais", diz Liliam. "Pessoas sensíveis também relatam enxaqueca quando consomem ameixa e tomate"

A associação entre alimentos e medicação podem ser uma bomba relógio em alguns casos. "Pessoas que fazem uso de antidepressivos terão dor de cabeça se comerem muito queijo, porque este forma as aminas biogênicas tiramina e tripatamina, que são irritantes do sistema nervoso central"